Inter pega "reba" do Grêmio

Reba, pra quem não sabe, era como chamávamos, eu e meu colegas no Mauá, o "resto", a "sobra". Se uma guria fica com um guri que outra não quis, a segunda estaria pegando a "reba" da primeira. Entende? Se sim, vocês entendem que o Internacional pegou a reba do Grêmio no que diz respeito à Musa do Gaúchão 2010.

Ana Paula Consorte dos Santos, de 18 anos ficou em segundo lugar na votação para ser representante do Tricolor este ano. Aline de Oliveira Machado, 21 anos, foi anunciada como Musa do Grêmio em 14 de abril. Oito dias depois, o Colorado ancuncia sua representante. Adivenhem quem? A sobra. A mesma Ana Paula desclassificada pelo adversário.

Dúvida? Olha a página do Grêmio e depois o site do Inter, no qual a loira diz ser torcedora do clube do Beira-Rio. É que o Inter gosta de ser o segundo, não tem jeito.

Os melhores do Gauchão em votação

A Federação Gaúcha de Futebol (FGF) está promovendo, em seu site oficial, a votação para eleger os melhores do Campeonato Gaúcho 2010. A novidade deste ano é que o torcedor pode votar pela internet e escolher o seu jogador preferido. Além dos atletas, também serão escolhidos os melhores dirigentes, árbitros e técnicos.

A escolha dos três melhores de cada posição foram eleitos por jornalistas dos principais veículos de comunicação do Estado, mas a decisão final é dos internautas.

Se fosse um Grenal, o Grêmio sairia na frente. O Tricolor tem nove jogadores concorrendo: Victor, Edílson, Mário Fernandes, Adilson, Maylson, Rodrigo, Douglas, Borges e Jonas, além do técnico Silas. Jonas e Mário ainda concorrem ao troféu de melhor jogador do campeonato e Maylson e Mário ao de jogador revelação. O Inter tem apenas seis jogadores na disputa: Nei, Kléber, Sandro Guiñazu, Giuliano e Alecsandro. Nas categorias técnico, revelação, melhor jogador e direção não tem nenhum represante.

Eu votei nos que considero melhores (veja na figura), nada muito imparcial, diga-se de passagem. E também pelo que acompanhei do Gaúchão, que foi pouco fora os jogos do Grêmio. Quem quiser votar, acesse a enquete no site da FGF.

O resultado da votação e a premiação ocorrem no dia 3 de maio.

Uma ótima opurtunidade!

Bom, se ela só é ótima pra mim e não pra você que esá lendo, pode ser. Mas ainda assim, ela continua valendo pelo tema do blog. A oportunidade é de exercer radiojornalismo esportivo. Ou seja, colocar na prática - e no ar - o que nós aprendemos em sala de aula  (nós os alunos de Comunicação Social da Unisc) com um ótimo tema: esporte.

O programa, uma parceria entre a Coordenação do curso e a Rádio Gazeta AM, se chama Aprendiz na Copa e "nós" podemos nos isncrever até o dia quatro de maio entregando um CD com uma série de quesitos que podem ser vistos no cartaz de divulgação ao lado.

Antes que me perguntem se eu vou me inscrever, digo que sim. Apesar do rádio como mídia para trabalhar não ser bem a minha praia, mais por achar que não levo jeito do que por não gostar, vou tentar. Afinal, antes de tudo, é uma ótima oportunidade.

Meu primeiro álbum de figurinhas

Quando eu exclamei a frase do título assim que chegou encartado na Zero Hora dominical o álbum de figurinhas oficial do Mundial da África do Sul, minha mãe disse: "É meu gurizinho mesmo..."

Mas nem isso foi capaz de conter a minha emoção. Na segunda-feira, assim que consegui tirar o meu corpo gripado da cama, corri em direção à ZH e peguei as quatro figurinhas que vieram gratuitamente - tirando as outras quatro do Ourocard, mas não conta. Recortei uma por uma - eu não sabia que elas não vinham descartadas - e colei nos seus respectivos números. Fernando Torres (ESP), Steven Gerrard (ENG), Aaron Lennos (ENG) e Hugo Lloris (FRA) sorriram pra mim.

Agora, pois, sou oficialmente uma colecionadora. Em breve pretendo passar na banca mais próxima e adqurir mais alguns. Meu querido namorado não deu bola para o seu álbum e já me prometeu as quatro figuras dele. Se alguém mais aí quiser doar ou então trocar, fico (mega) feliz em saber.

Pra provar que não sou eu a única empolgada com as figurinhas, um post do Patti, jornalista da ESPN.

Jogadores beijoqueiros

Hoje, 13 de abril, comemora-se o dia do beijo. Apesar de achar esta data um tanto quanto sem sentido, afinal, não é comercial - ao menos acho que não é comum vender bitocas -, nem tampouco comemorativa. No entanto, porque não aproveitar a oportunidade e relembrar os beijoqueiros dentro das quatro linhas?


O último caso de que me lembro é um beijo entre adversários. Willians, do Flamengo, depois de cometer falta em Philippe Coutinho, pela Taça Rio desse ano, tascou um beijo na bochecha do vascaíno. A namorada de Willians ficou até com ciúmes...


Beijo: Wllians em Phillipe Coutinho


Aqui no Brasil, até árbrito já enfrentou a fúria dos beijoqueiros dentro de campo. Em 2007, de novo numa disputa da Taça Rio, desta vez na final, o zagueiro do Cabofriense Cléberson, após fazer falta no Botafogo e perceber que o juíz se aproximava para lhe punir, não pensou duas vezes: deu um beijo no rosto do árbitro Ubarici Damásio. A recíproca não foi tão boa: um cartão amarelo.


Beijo: Cléberson no árbrito Ubarici Damásio


Na Inglaterra, os jogadores também adotam o beijo como espécie de descarrego. Um dia depois de acertar um soco em um colega de Newcastle, o atacante Andy Carroll fez o gol da vitória do seu time sobre o Doncaster, em jogo válido pela Segundona do Campeonato Inglês e, na comemoração, o meia Kevin Nolan deu praticamente um beijo na boca do “brigão”.


Beijo: Kevin em Andy

Há muitas outras cenas de bitocas no mundo futebol, mas não há tempo para contar todas. Confira algumas fotos - certas até bem calientes - e me diga: beijos, seja qual fora a finalidade, são formas válidas dentro de campo?



Meu novo desejo: "11 gols de placa"


Há algumas horas encomendei pela livraria da Unisc, onde tenho direito a um livro por mês por conta do meu dindo querido, meu novo desejo que une minha profissão, jornalismo e, por enquanto, meu hobby, futebol.

11 Gols de Placa: uma Seleção de Grandes Reportagens sobre o Nosso Futebol foi lançado em março e é organizado pelo jornalista e historiador Fernando Molica. O volume reúne 11 reportagens investigativas sobre o mundo e submundo do futebol. Tomei conhecimento da obra no blog do David Coimbra e fui atrás para saber do que se tratava. E adorei.

Em entrevista à Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), da quel é ex-diretor, Molica diz que quando começou a escrever o livro, se lembrou de "que nunca tinha visto na faculdade reportagens importantíssimas do jornalismo brasileiro. A idéia da coleção é resgatar esses trabalhos”.

A quem não se convenceu da importância do livro, no site da Associação encontrei uma boa justificativa: "Além de trazer um tema que está em voga com a proximidade da Copa do Mundo, a escolha de futebol como assunto para o terceiro volume da série serve para mostrar que o jornalismo investigativo não precisa se restringir a temas como política ou direitos humanos. 'É possível fazer jornalismo investigativo em qualquer área. Tem havido um aumento nas reportagens esportivas com teor investigativo, e o livro é uma forma de reconhecer isso', diz Molica"

Na sinopse da obra, ainda descobri que há textos de making of de Marcos Penido, João Máximo, André Rizek, Juca Kfouri, entre outras feras do jornalismo esportivo. Uma das reportagens é do jornalista da Zero Hora, e que palestrou na Unisc no ano passado, Diogo Olivier, intitulada “Desemprego Futebol Clube”.

Agora, espero anciosa pelo comunicado da livraria: seu livro está à disposição.

Gauchão nos extremos (2)


Foto: Diego Vara / ClicEsportes

Ontem escrevi um post dizendo que o Gachão estava sendo defendido na disputa de pênaltis, caso dos três primeiros jogos das quartas-de-final. E não é que o último embate também foi extremado?

Grêmio versus Pelotas não chegou aos pênaltis, mas foi decidido com duas cobranças de penalidades máximas e com um Tricolor de 10 jogadores em campo. O primero gol do jogo - e único do Grêmio -, feito por Maylson aos 47min do 1o tempo, foi o único "normal". Os outros dois do Pelotas foram feitos de pênalti por Thiago Duarte, aos 21 e aos 33min do 2º tempo. O dono da casa ainda perdeu Leandro, expulso ao chutar o assitente.

Pois bem. O Grêmio não só está fora das semi-finais da Taça Fábio Koff e forçou um confronto para a decisão do Gauchão, como perdeu sua invencibilidade no Olímpico, parou nos 51 jogos invicto. E, ainda, interrompeu sua série de vitórias consecutivas no número 15.

Depois dessa partida mal jogada e dessa interrupção de recordes, só me resta torcer para que o time não se perca, ache que os números anteriores eram falsos. Porque não eram. O Grêmio tem um bom time e está jogando um ótimo futebol. Espero que não comecem as "frescurinhas"...

Gauchão nos extremos


Será que os times gaúchos estão em condição semelhantes? Creio que não. Mas o que, então, está levando o três dos quatro jogos das quartas-de-final do Gaúchão (Grêmio X Pelotas está ocorrendo agora) para a decisão nos pênaltis?

Entre os times que sofreram ontem para seguir adiante no Estadual estava o Internacional, que ganhou do Noia, e o Caxias, campeão do Interior por antecipação este ano e que caiu fora ao perder para o Ypiranga. Hoje, o São José ganhou nos pênaltis do Inter-SM.

Creio que falta futebol.

Pesquisar neste blog

Total de visitantes

Seguidores

Tem alguém aqui?

De onde vocês são?

Archivo del blog