Meu primeiro álbum de figurinhas

Quando eu exclamei a frase do título assim que chegou encartado na Zero Hora dominical o álbum de figurinhas oficial do Mundial da África do Sul, minha mãe disse: "É meu gurizinho mesmo..."

Mas nem isso foi capaz de conter a minha emoção. Na segunda-feira, assim que consegui tirar o meu corpo gripado da cama, corri em direção à ZH e peguei as quatro figurinhas que vieram gratuitamente - tirando as outras quatro do Ourocard, mas não conta. Recortei uma por uma - eu não sabia que elas não vinham descartadas - e colei nos seus respectivos números. Fernando Torres (ESP), Steven Gerrard (ENG), Aaron Lennos (ENG) e Hugo Lloris (FRA) sorriram pra mim.

Agora, pois, sou oficialmente uma colecionadora. Em breve pretendo passar na banca mais próxima e adqurir mais alguns. Meu querido namorado não deu bola para o seu álbum e já me prometeu as quatro figuras dele. Se alguém mais aí quiser doar ou então trocar, fico (mega) feliz em saber.

Pra provar que não sou eu a única empolgada com as figurinhas, um post do Patti, jornalista da ESPN.

Jogadores beijoqueiros

Hoje, 13 de abril, comemora-se o dia do beijo. Apesar de achar esta data um tanto quanto sem sentido, afinal, não é comercial - ao menos acho que não é comum vender bitocas -, nem tampouco comemorativa. No entanto, porque não aproveitar a oportunidade e relembrar os beijoqueiros dentro das quatro linhas?


O último caso de que me lembro é um beijo entre adversários. Willians, do Flamengo, depois de cometer falta em Philippe Coutinho, pela Taça Rio desse ano, tascou um beijo na bochecha do vascaíno. A namorada de Willians ficou até com ciúmes...


Beijo: Wllians em Phillipe Coutinho


Aqui no Brasil, até árbrito já enfrentou a fúria dos beijoqueiros dentro de campo. Em 2007, de novo numa disputa da Taça Rio, desta vez na final, o zagueiro do Cabofriense Cléberson, após fazer falta no Botafogo e perceber que o juíz se aproximava para lhe punir, não pensou duas vezes: deu um beijo no rosto do árbitro Ubarici Damásio. A recíproca não foi tão boa: um cartão amarelo.


Beijo: Cléberson no árbrito Ubarici Damásio


Na Inglaterra, os jogadores também adotam o beijo como espécie de descarrego. Um dia depois de acertar um soco em um colega de Newcastle, o atacante Andy Carroll fez o gol da vitória do seu time sobre o Doncaster, em jogo válido pela Segundona do Campeonato Inglês e, na comemoração, o meia Kevin Nolan deu praticamente um beijo na boca do “brigão”.


Beijo: Kevin em Andy

Há muitas outras cenas de bitocas no mundo futebol, mas não há tempo para contar todas. Confira algumas fotos - certas até bem calientes - e me diga: beijos, seja qual fora a finalidade, são formas válidas dentro de campo?



Pesquisar neste blog

Total de visitantes

Seguidores

Tem alguém aqui?

De onde vocês são?

Archivo del blog